24 de julho de 2011

Temor

Não, eu não estou aqui para falar de amor
Não, eu não quero descrever o que é sofrer,
Essa liberdade que me prende sem querer,
Essa insanidade que acalma o meu padecer.

Não, não quero me envolver com o que dizem,
Mas por trás dessas atrizes, eu sou a mais desleal,
E em meus olhos posso ver meu próprio mal,
Tentando se livrar do bem em mim.

Me encontro dependente, meu medo de estar sozinha,
Este meu ser se encontra doente,
Emudecido em angústias minhas.
Quieto, eu ainda não desisti!

Fim, este parece tão distante.
Fim, este parece tão perto,
E então me assisto só,
Esse é o maior temor que eu já senti.

Não, eu não estou aqui para forjar um caráter que não tenho,
Estou aqui pra mostrar que parte mim falece,
Enquanto a outra parte em minhas dores apodrece,
Sem ao menos dizer que chegou o fim.

2 Comentários:

Tainã. disse...

Eu gosto muito de como você tem se desenvolvido em cada um dos seus textos. A maturidade é notável, mas o derramar de sentimentos... É estupidamente contagiante.
Orgulha-me, irmã.

Tathiane Cortez disse...

Sim, a maturidade nos textos é notável e admirável. Achei interessante o trabalho com as rimas, quão sonoridade. Leitura agradável, leve, doce. Tens tudo para melhorar cada vez mais. Parabéns, Lua !

Postar um comentário