11 de dezembro de 2011

O tempo .

É como se fosse a única dose de uma vida deletada de mim,
Em meio aos meus sorrisos, lágrimas que tanto escondi,
E meu peito ainda pulsa pedindo que tudo seja um sonho,
Mas o tempo não pode apagar as mudanças.

É como se eu já não tivesse mais uma segunda chance,
E como um último sopro de vida, meu grito silenciado por mim,
E meu coração implora debilmente pra que tudo mude,
Mas o tempo não pode desfazer o que foi feito.

Desapotamento, desilusão e dor física,
Hoje fazem parte de cada chão que piso,
E todos os corações que machuquei, peço desculpas,
Mas o tempo não pode colar um cristal.

E que estes dias se passem, imploro perdão,
Afinal, o que mais podes esperar de alguém que já não mais vive,
E o pulsar do meu coração é um pedido de socorro,
Mas existem dores que o tempo não pode curar. 

0 Comentários:

Postar um comentário