9 de junho de 2012

Demência, necessidade e você .

"Se as músicas não tivessem letras, eu lembraria de você?"

Quando seus olhos me perseguiam, e suas mãos estavam em minha cintura, eu podia me sentir flutuar, é que você me tirava o chão. E todos os lugares que estivemos, lembro que as pessoas eram uma ligação entre nós dois, e eu não posso negar, você me faz muita falta. E hoje olho em volta, mas você não está aqui, nesse quarto frio, mas suas lembranças estão por todo lugar, talvez eu tenha sido um erro, mas não consigo aceitar um fim. E quando as coisas estiverem sem sentido, você vai voltar pra mim? Quando tudo estiver mais livre, você poderá ser meu? Jogo os meus enigmas, mas você sabe me decifrar, melhor do que ninguém. Eu não sei o que fazer, eu não posso deixar que nossa história tenha um fim. Lembra quando você olhava em meus olhos, e apertava minha mão, parecia dizer que sempre estaria ali. Você pode me levar pra casa? Eu acordo todos os dias, procurando um beijo seu, cheio de sorrisos e seus pequenos olhos castanhos me olhando e eu me sentindo uma princesa em suas mãos, e eu jurava que aquilo seria um momento eterno. Lembra quando você levantou um dia, e dançava ao som de jazz para mim, e sorria, como se já estivéssemos em nosso futuro? Eu sei, foi apenas um momento, mas será que esse momento realmente deve ficar pra trás? Me pergunto todas as vezes, se as músicas que deveriam me fazer te esquecer, vão me lembrar de esquecer, e me lembrar de querer você. Leve-me ao seu mundo, só mais uma vez, prometo ser diferente. Eu prometo ser diferente. Eu prometo ser. Eu prometo. 

1 Comentários:

Tai Pereira disse...

Em algum momento, você voltará para casa. E espero que seja para aquela que você tanto deseja.

Postar um comentário