20 de junho de 2012

Um boteco qualquer .

Acordando ansiosa e esperando pela ligação dele, dando os parabéns por estarem juntos durante um mês, pela segunda vez, eles estavam tentando ajustar um namoro mal rompido, e um sentimento que aflorou mas não se sabia se o fruto que ele deu, seria duradouro. Então, ela se levantou da cama, checou o celulares e viu que não havia mensagem dele, ainda, mas seu coração estava tão esperançoso, parecia saber que ele mandaria uma mensagem a qualquer momento, e não estava enganado, alguns minutos depois ele envia uma mensagem que dizia:
"Hoje fazemos um mês, lembre-se
que iremos sair a noite. Adoro você."
Não era bem o que ela esperava, mas pra um relacionamento falido como o deles, até que ele estava se saindo bem e ela se esforçando, mesmo sabendo que seu coração pertencia a outro, ela fez de tudo pra se apaixonar pelo maior babaca que namorou no passado e acreditou que um babaca poderia deixar de ser... BABACA! Então, se aprontou para curtir seu dia e quando a noite chegou ela se arrumou completamente, até se maquiou, mas não sabia o porque de tanta felicidade, se o seu maior desejo era estar com outro, mas mesmo assim, quis mostrar que estava muito interessada. Ele, fazendo prova, enviava mensagens pra ela dizendo que demoraria, mas que chegaria em breve. Uma hora e meia de atraso, e ele sabia que ela teria hora pra voltar, mas mesmo assim, ela resolveu tentar, para que não parecesse um atraso de vida, afinal, ela havia terminado outro namoro há pouco tempo, na esperança de que esse ajudasse a esquecer o amor antigo, mas se o primeiro namoro deu uma merda, esse também deveria dar. Chegaram num boteco, que parecia um restaurante para casais que se escondiam da humanidade, e sentou-se, ele pediu lasanha e ela um vinho seco, queria engolir toda a náusea que sentia quando percebeu que ele não estava se esforçando, mas usando um pouco do amor que ela oferecia, para causar ciúmes a alguém, ela percebeu isso, na verdade, todos perceberam, mas ela resolveu tentar, e talvez os dois se ajudassem. Ao chegar em casa, ele deu um cachorrinho de pelúcia a ele, e ela o presenteou com uma camisa oficial do time favorito dele, e aquele havia sido o fim da noite, do namoro e de uma enganação dupla de sentimentos. Eles haviam brigado uma semana depois do encontro, no meio da rua, porque ele não queria assumir um relacionamento e ela queria mostrar que estava disposta lutar... então, parou e percebeu:
- Ele nunca valeu a pena.

2 Comentários:

Tainã Potiguara disse...

Quando se é amor, não há paixões que possam supri-lo.

Luara Potiguara disse...

Verdade... :/

Postar um comentário