14 de agosto de 2012

A carta .

Meu caro,
Eu não tenho suportado forjar meus sorrisos e dizer que estamos bem quando alguém pergunta sobre nós. Meu coração tem disparado a cada momento que meu telefone toca, esperando que seja uma ligação sua, mas meu cérebro trabalha na certeza de que você nunca irá me ligar. Olha, sei que tem sido difícil pra você também fingir que não se importa, e me ver passando em frente a sua casa, tentando não olhar, ou procurando todos os motivos para não entrar e fingir que não conheço ninguém ali. Eu sei que nosso caso ficou tão mal resolvido quanto uma função de matemática com várias letras e números que parecem indecifráveis, mas estou no meu limite e não quero continuar com essa dor no peito, guardando palavras que gostaria de dizer a você. É bom estar sozinho? Eu não tenho aguentado levantar e ficar sem falar com você, trocar mensagem ou simplesmente sentir seu cheiro de roupa limpa. Todas as músicas me lembram você, e acredite, eu tenho evitado isso mais do que o diabo foge da cruz, caro amigo. E meu coração, eu nem vou falar dele, a gente tem discutido todos os dias, porque só de ver o seu nome, ele chora, e eu peço que por tudo o que ele ama, pare com isso, mas ele me diz que ama você e eu não tenho tido resposta para as perguntas dele, até eu queria saber as respostas de tanta dor, e saudade que você deixou. O que eu quero dizer é que quando você está perto, tudo funciona bem, mas quando você está longe, amigo, até meu coração quer parar de bater, porque cada pulsar é seu nome que ele diz. Essa minha loucura de continuar sentindo a mesma coisa por você, tem sido impossível de entender, amigo, mas não é algo que se possa explicar, quando se trata de mim, você sabe, sempre é aquela complicação que te faz rir, lembra? Sinto falta até das brigas, amigo, sinto falta de tudo. Eu não quero me estender e descrever cada momento a dois, só quero dizer que tá difícil, porque se tem você tudo parece tão simples, mas sem você nada caminha, nada tem sentido.
Saudade, caro amigo, muita saudade.

0 Comentários:

Postar um comentário