20 de outubro de 2012

Confissões de um psicopata iniciante .

"O que te faz sentir raiva? 
O que te faz perder a cabeça e sentir raiva?"

Meu subconsciente se pergunta diversas vezes, e minha cabeça lateja tentando entender que sentimento de raiva é esse dentro de mim. Mas que diabos eu queria fazer nesse exato momento? Odeio quando não dizem diretamente o que querem dizer, eu sinceramente, não suporto que me perguntem demais ou duvidem demais de mim. Essas histórias de criar juízo e de ver a vida do jeito que deve ser vista, e esses malditos gritos em minha cabeça, para que serve tudo isso? Eu quero na verdade sumir, por favor, me faz sumir nem que seja em sonho. E que sono posso ter, se acabaram-se os diazepans e só me sobraram uísques baratos que me fazem anestesiar todas essas angústias e perguntas que minha cabeça tão insistente. Os alucinógenos que o cigarro me traz, me fazem enlouquecer, com esse desejo intenso de acabar com o resto de merda de vida que levo. O que me faz continuar? Eu e minhas bipolaridades de querer viver e agradecer e noutro dia querer que tudo se foda. Ah, eu não posso esquecer que o cigarro é como morfina, me destrói por fora, enquanto as pessoas me juram amor eterno me destroem por dentro. O que posso fazer quanto a toda essa merda que tenho que ouvir e encarar todos os dias? Lanço um sorriso cínico e digo que tudo está bem. E essa maldita mania de querer ser politicamente correto. 
- Politicamente o que? Que porra é essa?!
Ah, eu não posso continuar a querer que tudo seja lindo e doce, iguais as primaveras e os beijos de amores das vadias que tive. Eu quero mais é que tudo dê errado e que minha vida continue essa merda. Só esperando que essa raiva tome conta de mim, e me mate de vez. Mais uns quatro cigarros e um vidro de uísque, e meu coração se recupera de todo mal que absorveu. Pra lhe ser sincero, meu caro leitor, essa droga de mania de persistir tem me tornado um frustrado. Eu nem sei o que é que essa raiva tanto quer que eu faça, eu só preciso de um minuto para acabar com minha vida, ou com a vida de alguém, por um momento, eu desejo sentir alguém implorando que eu pare de enforcá-lo, mas não, não cederei a esse desejo maldito de matar alguém. Mais um cigarro e chega, hoje não passarei da escrita, espero que amanhã não queira sentir o gosto de fazer alguém sentir dor. 

2 Comentários:

Pétala disse...

ASQUEROSAMENTE EXCELENTE!

Luara Potiguara disse...

Minha filha, você entrou em meu âmago e concretizou na escrita tudo o que tinha dentro de mim?! MUITO BOM! É desse jeito, minha filha!

(Soraya Machado - Minha mãe)

Postar um comentário